submenu
"Eu nunca mais vou ser triste. Desse tempo eu já passei. O verbo se não existe"
O Verbo 'Se'
(Accioly Neto e Santanna)
mural de recados
25/09/2014
Laelma escreveu:
Mudana de Local de Show: Flvio Leandro e Santanna O Cantador, em Petrolina-PE, no dia 11 de outubro de 2014, no ARENA SHOW ( ANTIGO POSTO ESPACIAL ) AV. SETE DE SETEMBRO, 30 E PETROLINA-PE
24/09/2014
JANAINA MARTINS escreveu:
SOU AMANTE DO SEU TRABALHO!!!! TE OUVIR ME FASCINA E ACALMA MEU DESASSOSSEGO!!!!
23/09/2014
MARCIO ALVES escreveu:
OL SANTANA. TUDO BEM? SOU UM GRANDE SEGUIDOR DAS SUAS OBRAS. GOSTARIA DE TE ENVIAR UMA OBRA DE MINHA AUTORIA. SE POSSIVEL DIVULGA AI NO MURAL PROSAS E VERSOS. VIDA NORDESTINA (Marcio Alves) Sou movido pela vida nordestina Combustvel inesgotvel do meu ser, Tenho a f que um dia vai chover Pra nascer de novo plantao, E colocar toda a f no corao Desse povo sofrido e humilhado. J escuto o vaqueiro apaixonado Aboiando a cano do meu sofrer. Minhas foras j esto quase esgotadas, Foi embora minha saga e minha sina, Sempre espero uma ave de rapina Pra levar pra longe meu penar. Um pouquinho de gua pra tomar o fim da vida nordestina. Disponvel em: http://www.marciooalves.com/2013/09/vida-nordestina.html
prosas e poesias
Versos de Paulo de Tarso e Cesar do Lau
Sou movido a Cultura Nordestina,
Combustivel de fonte renovavel,
Um conjunto de valores veneravel,
Que perdura em sua saga, sua sina.
Sou refm dessa ave de rapina
Que me prende nas garras do conhecer
E me transporta pelo mundo do saber,
Num sobrevoo pelo cu da primazia,
Me soltando nas aguas da poesia
Pra um mergulho no riacho do prazer.

E os pingos de chuva que caem do cu
Se fazem cortina embaando o horizonte
E a agua em barrocas escorre do monte
procura das baixas parecendo um vu.
De longe se ouve o grito do tetu,
Mais perto se v no terreiro um menino
Bricando na lama com seu desatino,
Mostrando um sorriso de satisfao.
So cores que pintam o nosso serto
Por isso me orgulho de ser nordestino.

O retrato que tenho do serto
um casal de rolinhas na mangueira,
O chiado da cancela ou da porteira
E o estalo de lenha no fogo.
No chiqueiro o roncado do barro
E uma gua pastando na chapada.
O vaqueiro levantar de madrugada
Pra honrar e cumprir sua profecia
E depois nos braos de Maria
Se entregar aos cafuns de sua amada.

© Copyrigth 2009
Santanna O Cantador
Contato para shows:
(81) 9986 1783
Desenvolvimento:
SER Digital